quinta-feira, 29 de setembro de 2011

S.C. INTERNACIONAL lidera há sete semanas ranking da Conmebol

Pelé recebe camiseta do Inter (final Libertadores 2010)

Em Sta. Maria-RS, Inter de Sta Maria x Internacional (no detalhe, gol de Iarley no  primeiro jogo do Gauchão de 2008)

Iarley comemora junto à torcida (Alex à direita)
O Sport Club Internacional lidera o ranking de clubes da Confederação Sul-Americana de Futebol há sete semanas, ranking este que considera principalmente os seguintes títulos: Mundial Interclubes, Copa Libertadores da América, Copa Sul-Americana, Recopa Sul-Americana e Copa Suruga bank. O Internacional lidera o ranking porque, nos últimos dez anos, não houve nenhuma outra equipe da América do Sul que ganhou   os títulos mais importantes da América do Sul e do Mundo. São 2 títulos de Libertadores, 1 título Mundial, 1 título de Copa Sul-Americana, 2 títulos de Recopa Sul-Americana e 1 título da Copa Suruga bank. Nada mais justo.  

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

METALLICA NO ROCK IN RIO

A banda americana Metallica fez show memorável na madrugada desta segunda-feira, 25 de setembro, na noite metaleira desta 4ª edição do Rock In Rio. A banda já havia se apresentado em outras edições do Rock In Rio, mas nos festivais que foram realizados por Roberto Medina na Europa, sendo uma das edições em Lisboa, capital Portuguesa.
Esta é a quarta vez que o Metallica se apresenta no Brasil. James Hetfield, guitarrista e vocalista, afirmou recentemente que um dos países em que o público acompanha e canta as músicas com mais ritmo é o Brasil, destacando a musicalidade de nossa terra.
Após o começo com Creeping Death (do 1º disco Kill´em All, de 1983) , seguiu-se For Whom the Bell Tolls e várias outras (Fuel, Ride the Lightning, Cyanide, All Nightmare Long, Sad But True, Master of Puppets, Sad But True, One, Orion, Welcome Home (Sanitarium), Nothing Else Matters, Enter Sandman e Seek and Destroy).
Com trinta anos de carreira, a banda mostra porque continua na linha de frente do Rock pesado.
Fotos do show em Porto Alegre, em 28 de janeiro de 2010:


  

domingo, 25 de setembro de 2011

BEATLES cover em SANTIAGO-RS

Amantes do bom e velho Rock puderam apreciar na noite de ontem, 24 de setembro, vários dos grandes sucessos dos Beatles, como A hard Days Night, Lucy in the Sky with Diamonds, Twist and Shout, Help, Hello Goodbye, Let It Be, Yesterday, Hey Jude, Come Together, Here Comes the Sun, Sargent Pepper´s e Get Back. A banda The Abbey Road Beatles reproduziu fielmente vários sucessos do quarteto de Liverpool e fez a plateia curtir um bom Rock e, de lambuja, viajar no tempo. À exceção de alguns contratempos de parte da sonorização, que equalizou inadequadamente um dos principais microfones, e do atraso de 30 min para a entrada no local, a noite foi de muito proveito para os fãs dos Beatles e do Rock. 
Fiquemos no aguardo de outros eventos que possam trazer outras bandas de qualidade admirável a Santiago.






She loves you yeah, yeah, yeah!       

Médicos X planos de saúde (dr. Dráuzio Varella)


           Médicos que vivem de clínica particular são aves raríssimas. Mais de 97% prestam serviços aos planos de saúde e recebem de R$ 8 a R$ 32 por consulta. Em média, R$ 20.
           Os responsáveis pelos planos de saúde alegam que os avanços tecnológicos encarecem a assistência médica de tal forma que fica impossível aumentar a remuneração sem repassar os custos para os usuários já sobrecarregados. Os sindicatos e os conselhos de medicina desconfiam seriamente de tal justificativa uma vez que as operadoras não lhes permitem acesso às planilhas de custos.
           Tempos atrás, a Fipe realizou um levantamento do custo de um consultório-padrão, alugado por R$ 750 num prédio cujo condomínio custasse apenas R$ 150 e que pagasse os seguintes salários: R$ 650 à atendente, R$ 600 a uma auxiliar de enfermagem, R$ 275 à faxineira e R$ 224 ao contador. Somados os encargos sociais (correspondentes a 65% dos salários), os benefícios, as contas de luz, água, gás e telefone, impostos e taxas da prefeitura, gastos com a conservação do imóvel, material de consumo, custos operacionais e aqueles necessários para a realização da atividade profissional, esse consultório-padrão exigiria R$ 5.179,62 por mês para sua manutenção.
           Voltemos às consultas, razão de existir dos consultórios médicos. Em princípio, cada consulta pode gerar de zero a um ou mais retornos para trazer os resultados dos exames pedidos. Os técnicos calculam que 50% a 60% das consultas médicas geram retornos pelos quais os convênios e planos de saúde não desembolsam um centavo sequer.
           Façamos a conta: a R$ 20 em média por consulta, para cobrir os R$ 5.179,62 é preciso atender 258 pessoas por mês. Como cerca de metade delas retorna com os resultados, serão necessários: 258 + 129 = 387 atendimentos mensais unicamente para cobrir as despesas obrigatórias. Como o número médio de dias úteis é de 21,5 por mês, entre consultas e retornos deverão ser atendidas 18 pessoas por dia!
           Se ele pretender ganhar R$ 5.000 por mês (dos quais serão descontados R$ 1.402 de impostos) para compensar os seis anos de curso universitário em tempo integral pago pela maioria que não tem acesso às universidades públicas, os quatro anos de residência e a necessidade de atualização permanente, precisará atender 36 clientes todos os dias, de segunda a sexta-feira. Ou seja, a média de 4,5 por hora, num dia de oito horas ininterruptas.
         Por isso os usuários dos planos de saúde se queixam: "Os médicos não examinam mais a gente". "O médico nem olhou a minha cara, ficou de cabeça baixa preenchendo o pedido de exames enquanto eu falava." "Minha consulta durou cinco minutos."
É possível exercer a profissão com competência nessa velocidade?
           Com a experiência de quem atende doentes há quase 40 anos, posso lhes garantir que não é. O bom exercício da medicina exige, além do exame físico cuidadoso, observação acurada, atenção à história da moléstia, à descrição dos sintomas, aos fatores de melhora e piora, uma análise, ainda que sumária, das condições de vida e da personalidade do paciente. Levando em conta, ainda, que os seres humanos costumam ser pouco objetivos ao relatar seus males, cabe ao profissional orientá-los a fazê-lo com mais precisão para não omitir detalhes fundamentais. A probabilidade de cometer erros graves aumenta perigosamente quando avaliamos quadros clínicos complexos entre dez e quinze minutos.
           O que os empresários dos planos de saúde parecem não enxergar é que embora consigam mão-de-obra barata - graças à proliferação de faculdades de medicina que privilegiou números em detrimento da qualidade - acabam perdendo dinheiro ao pagar honorários tão insignificantes: médicos que não dispõem de tempo a "perder" com as queixas e o exame físico dos pacientes e pedem exames desnecessários. Tossiu? Raio-X de tórax. O resultado veio normal? Tomografia computadorizada. É mais rápido do que considerar as características do quadro, dar explicações detalhadas e observar a evolução. E tem boa chance de deixar o doente com a impressão de que está sendo cuidado.
          A economia no preço da consulta resulta em contas astronômicas pagas aos hospitais, onde vão parar os pacientes por falta de diagnóstico precoce, aos laboratórios e serviços de radiologia, cujas redes se expandem a olhos vistos pelas cidades brasileiras. Por essa razão, os concursos para residência de especialidades que realizam procedimentos e exames subsidiários estão cada vez mais concorridos, enquanto os de clínica e cirurgia são desprestigiados.
            Aos médicos, que atendem a troco de tão pouco, só resta a alternativa de explicar à população que é tarefa impossível trabalhar nessas condições e pedir descredenciamento em massa dos planos que oferecem remuneração vil. É mais respeitoso com a medicina procurar outros meios de ganhar a vida do que universalizar o cinismo injustificável do "eles fingem que pagam, a gente finge que atende".
            O usuário, ao contratar um plano de saúde, deve sempre perguntar quanto receberão por consulta os profissionais cujos nomes constam da lista de conveniados. Eu teria medo de ser atendido por um médico que vai receber bem menos do que um encanador cobra para desentupir o banheiro da minha casa. Sinceramente.

     
Artigo publicado no caderno Ilustrada, da Folha de S. Paulo, de 18 de setembro de 2004 

terça-feira, 20 de setembro de 2011

SATURNO (aos olhos da sonda espacial Cassini)

Grandes imagens do mais belo e 2º maior planeta do sistema solar, captadas pela sonda Cassini.

Gigante Saturno

Aneis no detalhe

Polos notadamente achatados

Luas próximas aos aneis

Excelente imagem

O SEGREDO DO SUCESSO: VOCÊ MESMO


           Este livro tem a intenção de comunicar ideias relacionadas a um dos grandes objetivos do ser humano em sua trajetória na terra: a busca pelo aperfeiçoamento. Ela representa a busca de conhecimento, instrução, ação, amor, confiança, trabalho, caridade, harmonia, saúde, felicidade e prosperidade, já que em tudo isto (e em muito mais) podemos nos aperfeiçoar. Esta obra, no entanto, enfatiza os aspectos ligados à aprendizagem, ao trabalho, à autoconfiança e à prosperidade.  
           O ser humano pode ser comparado a um diamante, o qual a natureza nos apresenta a forma bruta para que então ele seja lapidado e transformado em algo bonito, brilhante e mais valioso ainda.
           Assim é com nosso cérebro. Ele nasce preparado para encarar uma existência em qualquer canto do planeta, para falar qualquer língua, para ser parte de qualquer cultura, para ter as mais variadas aptidões, para aprender tanto tarefas bem simples quanto altamente complexas, para nos proporcionar grandes emoções e realizações e para desenvolver curiosos talentos. Nasce preparado para aperfeiçoar e executar as incontáveis tarefas conscientes e inconscientes do ser humano. Está em funcionamento desde antes mesmo de nascermos até nosso último movimento respiratório. 
          Por vezes não lembramos adequadamente de nosso cérebro. Não valorizamos como devíamos a magia de estarmos vivos, conscientes de nós mesmos de maneira diferente de todos os outros seres vivos (até mesmo porque possuímos o cérebro mais complexo).
          Muitas pessoas raramente pensam profundamente sobre si mesmas e sobre a existência da vida. Parecem ignorar que possuem um órgão tão poderoso e incrível. E, pior, deixam de aproveitá-lo. Não aprendem a explorá-lo da forma que ele mesmo deseja ser explorado. Ele nasceu para ser brilhante. Aceita inúmeros desafios e realiza grandes feitos.
          Sempre ouvimos falar que o cérebro é um mistério, que há muito a aprender sobre ele, que o usamos muito pouco e que ele é capaz de detectar vibrações oriundas de outros cérebros. Ainda não há, realmente, explicações convincentes para muitos fenômenos cerebrais.
          A cada dia, os pesquisadores compreendem algo novo sobre a mente, o que por um lado faz com que aumentemos nosso conhecimento sobre ela e, por outro lado, revela-nos o quanto não sabemos a seu respeito. Certamente possuímos muitas capacidades mentais das quais nem fazemos a mínima ideia. Conhecemos a nós mesmos, na realidade, muito pouco.  
         Quem somos nós, então, para querer entender o cérebro, se mesmo os grandes pesquisadores possuem muitas dúvidas sobre ele? Assim, preferimos não pensar nele, embora ele esteja sempre em atividade por nós, sempre pensando em nós. É tão significativo em nossa vida sem que nos demos por conta.
         Porém, esquecer de que possuímos um espetacular órgão pensante pode significar deixar de pensar em nós mesmos. Se esquecermos de que fomos presenteados pela natureza com algo tão valioso, poderemos não valorizar adequadamente nossa própria vida. Mas, como podemos valorizar nossa vida?
         Cada pessoa deve procurar por tudo aquilo que considera valioso. O que importa é você saber aproveitar a vida, aprender bons valores e, então, viver da melhor maneira que puder.
          Viva intensamente da forma que você acredita ser valiosa. Faça o que você considera valioso. considera espetculares fazendo as coisas que vocm ache espeerar v10101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010101010 Tenha emoções valiosas. Observe e aprenda o que acredita ser valioso. Aprecie o que acha valioso. Viva com as pessoas que você sabe que são valiosas. Somente assim você conseguirá ter uma vida plena, cheia de emoções e conquistas.
         Viver intensamente não é apenas privilégio dos outros. Faça com que seja um privilégio seu também. Acredite que você tem todas as forças para isto. Acredite e comece.

                  Prefácio de meu livro "O Segredo do Sucesso: Você Mesmo"

                                                                 
                                                              


sábado, 17 de setembro de 2011

Lennon & McCartney na infância





ORAÇÃO DO ROCK NOSSO

Rock nosso que estais na veia

Muito escutado seja o vosso solo

Venha a nós o riff inteiro

Seja feito barulho à vontade

Assim em casa como nos shows

A música boa de cada dia nos dai hoje

Perdoai nossas loucuras

Assim como nós perdoamos pagodeiros e sertanejos com suas músicas horríveis

Não nos deixeis cair em funk e rap

E livrai-nos do axé

Amém

                                                                      (anônimo)

JOHN LENNON - IMAGINE (letra e música)

C                              C7+      F            C                     C7+  F
    Imagine there´s no heaven          It´s easy if you try
C               C7+       F          C                   C7+    F
    No hell bellow us             Above us only sky
F                 C/E             Dm7   F     G                  G7 
    Imagine all the people              Living for today
C                               C7+       F            C                       C7+  F 
    Imagine there´s no countries          It isn´t hard to do
C                            C7+   F         C                       C7+   F
    Nothing to kill or die for        And no religion too
F                 C/E             Dm7   F      G                      G7
    Imagine all the people              Living life in peace
    F                    G           C           C7+ E E7     F                G                    C  C7+ E E7
         You may say I´m dreamer                       But I´m not the only one
    F                         G                C     C7+ E E7   F                G                C
         I hope someday you´ll join us                 And the world will be as one
C                       C7+     F            C                         C7+  F 
    Imagine no possessions         I wonder if you can
C                                   C7+      F        C                             C7+   F
    No need for greed or hunger         A brotherhood of man
F                 C/E             Dm7   F      G                            G7
    Imagine all the people              Sharing all the world

SAIBA RECONHECER A DEPRESSÃO

          A depressão é uma das doenças psiquiátricas mais frequentes no mundo.  Acomete os indivíduos em suas mais diversas idades, da infância à velhice. Frequentemente ela é a causa de incapacitações escolares, acadêmicas e de trabalho, as quais são decorrentes diretamente dos sintomas que caracterizam o seu quadro clínico. No entanto, nem sempre o indivíduo ou seus familiares conseguem reconhecer os sintomas, que por vezes se instalam lentamente. Normalmente quando estes sintomas aumentam de intensidade, ficam mais evidentes, sendo então percebidos mais facilmente.
          A Organização Mundial de Saúde (OMS) divide a depressão basicamente em três tipos: leve, moderada e grave, de acordo com a intensidade dos sinais e sintomas apresentados, que podem ser muito variáveis entre cada pessoa.
No entanto, algumas das queixas mais frequentemente relatadas pelos pacientes são: tristeza, apatia, humor deprimido, desânimo, sensação de desesperança, dificuldades de memória e de concentração, falta de vontade para realizar atividades diárias, irritabilidade, agressividade, ansiedade, insônia ou sono excessivo, falta ou excesso de apetite, diminuição do desejo sexual, fadiga, isolamento e intolerância a barulho.
 A OMS determina em cerca de duas semanas o período de tempo mínimo para que os sinais e sintomas possam realmente caracterizar uma depressão.
Quando o quadro clínico é grave, frequentemente o paciente possui pensamentos suicidas, alucinações visuais (comumente enxerga vultos), auditivas (ouve alguém chamá-lo ou vozes que o insultam) e delírios de desvalia (convence-se de que é totalmente inútil e que não tem nenhum valor para nada e para ninguém).
O tratamento deve ser iniciado tão logo se perceba que o quadro clínico é compatível com depressão. Nos casos leves, o uso de medicamentos nem sempre é necessário, pois o paciente pode melhorar apenas com medidas terapêuticas não farmacológicas, tais como os diferentes métodos de psicoterapia.
Nos quadros moderados e graves, os medicamentos antidepressivos são praticamente indispensáveis. Atualmente há uma ampla gama de antidepressivos disponíveis (o que permite adequá-los ao perfil de cada paciente), além de serem comprovadamente eficazes.
Infelizmente muitos quadros de depressão não tratados ou, ainda, tratados inadequadamente, culminam tanto com o suicídio quanto com o homicídio.
Assim, sempre que os sinais e sintomas sugerirem um episódio depressivo, deve-se procurar ajuda profissional para que o indivíduo possa, com o tratamento, retornar o mais breve possível ao seu funcionamento e ao seu estado de humor normais.


                                                               Fernando Porto Almeida - Psiquiatra                           

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

MÉDICOS X planos de saúde

No dia 21 de setembro, quarta-feira próxima, ocorrerá no RS a paralisação dos médicos credenciados em planos de saúde em protesto por remunerações melhores pelos planos de saúde, já que estes atingem faturamentos cada vez mais altos às custas de serviços médicos e de saúde em geral repassando valores absurdamente baixos aos profissionais credenciados que, vale ressaltar, não somente médicos. Há uma exigência de que o valor mínimo pago por cada consulta seja de R$ 80,00 e que ocorram reajustes anuais. Alguns planos de saúde, tais como o Bradesco, segundo o Sindicato Médico do RS, nem se mostraram favoráveis a diálogo. A exploração da mão-de-obra médica, na verdade, vem de muito tempo. Mesmo assim, a categoria cada vez mais percebe tal exploração e reivindica nada mais que não mereça nem que os planos de saúde não possam pagar aos médicos.
É importante que se diga que até bem pouco tempo, alguns planos de saúde, tais como unimed, ipe e fusex, pagavam por consulta médica valores míseros que variavam entre R$ 25,00 e R$ 40,00. Esta bandeira finalmente está sendo erguida e assim deve se manter, para evitar o abuso cometido pelas operadoras. No entanto, certamente os custos maiores que serão pagos aos profissionais serão gerados por aumento no valor das mensalidades de seus nobres clientes, que novamente sairão lesados. Mas isto não é culpa da categoria médica, e sim das operadoras. Alguns podem pensar que os médicos deveriam pensar menos em dinheiro, mas não pensam o mesmo a respeito das operadoras dos planos de saúde, que são na verdade quem está preocupada com altos faturamentos. Aliás, aproveitando, aí vai um recado para as operadoras: "ei, vocês aí, pensem menos nos lucros e paguem pelo menos o mínimo que valem os serviços médicos, QUE TAMBÉM DEVEM SER DETERMINADOS PELOS PRÓPRIOS MÉDICOS".
Os médicos não devem somente estar sujeitos aos preços e determinações da parte das operadoras. Ou, quem diz realmente quanto vale o trabalho de alguém, principalmente quando o que está em questão é a saúde e o cuidado de outro ser humano?
Que daqui para a frente a relação de médicos com planos de saúde seja menos desigual e possa  proporcionar aos profissionais mais autonomia e valorização. Mas esta luta certamente será longa.
Venceremos.    

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

VOLTOU A CENSURA

Um desembargador que dá um ganho de causa a um vereador que faz mau uso do dinheiro público inclusive de seus próprios eleitores é no mínimo suspeito.Qual é o argumento? Voltamos ao tempo da censura! Assim vai o Brasil, precisando limpar a cara. É fato que muita gente designada para gerir recursos públicos e/ou atuar na política é despreparada e, em inúmeros casos, mal intencionada. Enquanto isto ocorrer, o país vai padecer. Mas quem padece mais ainda são os mais pobres, aos quais cada centavo gasto em farras políticas faria grande diferença. O dia em que toda esta turma de gestores e políticos for do bem, o Brasil terá um desenvolvimento astronomicamente maior (do tamanho de suas riquezas) e poderá, enfim, crescer sem limites.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

SOLSTÍCIO

Nesse tempo de alegria
O que vale é viver
Fazer melhor
Fazer valer
    
A boca sorri
Olhos sorriem
Alma sorri
Calma sorri

É tempo de festa
Tem que comemorar
Esquecer do resto
Amar e cuidar

Tristeza acaba
Tudo volta ao início
Inverno ou verão
Pleno solstício

                  F.P.A.

MAS BAH, TCHÊ!

Buenas!
E daí gaudério?
Tudo tranquilo no más?
Vamo peleando

Que faz por estes pagos?
Passear com a chinoca
Andar pelos pampas
Mas que barbaridade!
                  
Tomar um chimarrão
Erva da boa
Cantos e contos gauchescos
Bombacha, bota e espora

Cavalgada longa
Bagual!
Como é que tá o Rio Grande?
Mas bah, tchê!

                 F.P.A.

PSICOSE REALÍSTICA

É o novo conceito da psicose
Ela é mais real que a própria realidade
Rompe a barreira da lucidez
É absurdamente real

Beira à incerteza
Ressurge no consciente
Mentiras vivem
Verdades morrem

E tudo é incerto
E irreal
Por algum momento
Volta a psicose

E o nada é tudo
E o tudo é nada
Nesse momento estranho,
Loucura é normal

                       F.P.A.

NADA E TUDO

Às vezes penso que nada vale a pena
Que nada faz sentido
Penso que não existo
Que nada é bom
    
Às vezes penso que tudo vale a pena
Que tudo faz sentido
Penso que existo
Que tudo é bom
                    
Outras vezes penso que melhor é morrer
Que não há solução pra nada
Penso que vou piorar
Que estou no caminho do mal

Outras vezes penso que é melhor viver
Que há solução pra tudo
Penso que vou melhorar
Que estou no caminho do bem

                       F.P.A.

1964

Parece mentira, mas ele chegou
Abriu abril, e o tempo fechou
Rigidez, sim senhor
Democracia, não senhor

Toma um duro golpe a liberdade
Fez-se o que não se faz
Brasil decidido no grito
Torturando a razão

E por falar nisso, cadê o Zé?
Cadê o João?
Cadê Maria?
Raptados por um ovni?

Porões elétricos e sombrios
A intimidação pela força
Até o último suspiro
Morreu-se por democracia (é um bom motivo)

                                     F.P.A.

1964, O FIM

Após o tormento, a sanidade
Renasce o sol da liberdade
Raios fúlgidos de verdade
Voo livre em qualquer idade
             
Diretas já! Mas ainda não
Ordem e progresso é o desejo
Crescimento e evolução
Alegria num beijo

À destino, vai o pelotão
Marcha de despedida
Novo tempo bom à vista
Que ’inda demoraria a chegar

Mas boa mesmo é a democracia
E sem demagogia
Terminou o desgosto
Começou-se de novo (é um bom motivo)

                          F.P.A.

VIVER E MORRER

Não quero nem saber
Vou aproveitar a vida
Vou viver e aprender

Deixar tudo em paz
Esperar o tempo passar
Vou viver e amar
                     
Sair por aí
Deixar amanhecer
Vou viver pra valer

Nunca parar
Do vazio esquecer
Vou viver e morrer

                F.P.A.

DE MANHÃ

Amanheceu, e eu louco
Perdido no brilho de Vênus
Tento ver Mercúrio
Mas o Sol se impõe

Os pássaros anunciam a manhã
Tento achar que não
A impressão é a certeza de que não dormi
Nada é em vão

Tudo nasce de novo
Manhã de outono
Nada pode ser mais belo
Que um coração sincero

A vida leva e traz
O brilho vem e vai
As virtudes nascem e crescem
Poesias florescem

                    F.P.A.

SER

Nem sei como vim parar aqui, dentro de mim

                                            F.P.A.

ECLIPSE

Lua vilã, tapou o sol
Ofuscou seu brilho
Chegou de fininho
Não esperou anoitecer

Forças da natureza
Giram os gigantes
Alinhamento perfeito
Mas que beleza

O céu escurece
O milagre acontece
A gente agradece

         F.P.A.

VIVER

É bom viver
Duvidar e crer
Comprar e vender
Ouvir e falar
Odiar e amar
Rir e chorar
Acordar e dormir
Ficar e ir  
Entrar e sair
Ignorar e saber
Não ter e ter
Nascer e morrer

                 F.P.A.
                    

BRASIL

País rico, de povo honesto
Vê seu dinheiro surrupiado
Sensação de estar sendo roubado

Povo trabalhador, com nariz de palhaço
Um milhão de impostos
Ladrões todos a postos

Gestores corruptos do dinheiro público
Fazem com ele o que querem
Sem dar a mínima a todos que ferem

Apadrinhados, parentes, pilantras
Coronéis do passado no presente
Parecem benfeitores, iludem nossa gente

                      F.P.A.

BRASIL, parte 2

 Temos muito a nos orgulhar
Do descaso com a educação
O salário do mestre é piada
E ninguém quer saber de nada

Temos muito a nos gabar
Com a saúde pública precária
O médico do sus rico ficou
E caiu da cama e acordou

Temos muito a nos convencer
De toda a falta de bom senso
Chapado não pode
Podre de bêbado pode

Temos muito a esperar
Por igual chance pra todos
Já nascemos roubados
Não podemos ficar calados

                F.P.A.